Imprimir

EDITORIAL e coluna EXPRESSINHAS

Escrito por Redação em . Publicado em Expressinhas

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

EDITORIAL - MPF processa maiores devastadores da Amazônia

Enquanto habitantes conscientes do mundo inteiro arrepiam os cabelos só de pensar que continua sendo devastada no Brasil a maior, a mais rica e a mais bonita floresta tropical do planeta, essencial para o equilíbrio climático de todo o globo terrestre, aqui ainda se engatinha em ações que no máximo intimidam seus autores do que radicalizam para eliminar de vez com a prática criminosa de lesa planeta que representa a devastação da Amazônia.

Mais intimidam porque quem mais desmata em áreas maiores, que são os grandes fazendeiros, madeireiros e mineradores, pagam bons advogados para irem até a quase “secular” última instância, com a maioria dos crimes acabando por mofar e por prescrever sem que seus autores sejam penalizados criminal e civilmente, deixando de fazer a recuperação da floresta e de pagar as respectivas indenizações por tão horrendos malefícios contra a natureza.

Mas mesmo as pequenas boas intenções já acendem pequenas luzes no final do túnel do tempo que se faz necessário para o país começar a levar mais a sério o combate aos crimes contra seus cofres, bens, recursos e meio ambiente públicos.

É por isso que o semanário Expresso Amazônia destaca nesta edição matéria sobre a iniciativa do Ministério Público Federal de punir, com ações civis públicas, que pedem punições e indenizações, contra os 1.155 proprietários de terra que foram flagrados por imagens de satélites do Prodes/Inpe desmatando ilegalmente 176 mil hectares da floresta amazônica em áreas superiores a 60 hectares, entre os anos de 2015 e 2016.

No Acre, foram flagradas apenas cinco áreas acima deste limite, sendo uma em Acrelândia, uma no Bujari e três em Manoel Urbano. Ver detalhes na página central. O semanário também destaca matérias que mostram iniciativas econômicas de comerciantes de Rio Branco, da crise chegando até aos produtores acreanos por causa da retração do consumo de alimentos, e a posição assumida pela prefeitura de Rio Branco de ser uma das cinco de capitais mais transparentes do país, conforme levantamento realizado pela Controladoria Geral da União (CGU). Boa leitura a todos.

Coluna EXPRESSINHAS

Reprodução

Gastronomia do seringal à capital

O Acre está realizando em 21 estabelecimentos comerciais de Rio Branco, de 01 a 10 deste mês de dezembro, o seu Festival Gastronômico de Sabores com o tema “Do seringal à capital”, que está sendo organizado pelo Sebrae, com apoio do governo acreano e o gabinete da primeira-dama Marlúcia Cândida para revitalizar a história da culinária acreana e as influências das cozinhas árabe, portuguesa, boliviana, indígena e outras. Segundo Marlúcia, o festival cria no estado uma vitrine da sua cultura alimentar.

Foto CACBFoto CACB

George Pinheiro reúne associações
O empresário acreano George Teixeira Pinheiro, presidente da Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil (CACB), acaba de regressar do Centro-Sul, onde manteve agenda cheia de trabalho, liderada pela reunião que manteve com os presidentes e executivos das associações comerciais em Brasília para tratar da aplicação das ações do principal projeto de cooperação internacional da União Europeia na América Latina, o Projeto AL-Invest.5, em favor das entidades ligadas à CACB.

Foto Reprodução

Novo portal de desmate do INPE

Responsável pelo monitoramento oficial do desmatamento na Amazônia, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) lançou durante a COP23, realizada na Alemanha, um portal mais moderno e interativo dedicado exclusivamente à questão, cujo nome é “Terra Brasilis” e pode ser acessado no endereço http://terrabrasilis.info/composer/prodes. No portal, os usuários podem interagir com diversos gráficos que mostram aspectos chaves para analisar a taxa de desmate em toda a área observada ou filtrados por municípios, estados, unidades de conservação etc.

Foto Divulgação

Amazônia no Miss Universo

O desmatamento na Amazônia está chamando atenção até dos concursos internacionais, como o da Miss Universo deste ano, que no domingo, dia 26 de novembro, pode ver a candidata brasileira no concurso, Monalysa Alcântara, desfilou com um vestido belíssimo trazendo as cores da maior, mais rica e mais bonita florestal tropical do planeta, que continua sendo queimada e destruída, trazendo sérios prejuízos em áreas essenciais para a humanidade, como o ar que ela respira, os fármacos que a mantém viva e os cosméticos que a embeleza, entre outras.

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn