Imprimir

Acre acelera reflorestamento para ampliar renda na floresta

Escrito por Romerito Aquino em .

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

O Acre vai entrar o ano de 2017 beneficiando cerca de mil famílias de pequenos produtores rurais com 2,2 milhões de mudas de árvores. Trata-se de um reflorestamento que está dando origem a milhares de novas seringueiras, castanheiras, açaizeiros, aceroleiras e pés de graviolas que já começam a gerar renda em boa parte dos municípios acreanos, além de adensar mais a floresta acreana e contribuir para o equilíbrio ambiental do planeta.

Plantio de seringueira no seringal Cachoeira, em Xapuri  - Foto Arison Jardim, Secom-ACPlantio de seringueira no seringal Cachoeira, em Xapuri - Foto Arison Jardim, Secom-AC

“Quem plantou seringueira no primeiro ano do programa já irá fazer a primeira sangria no ano que vem. Só aqui no Acre, nós já temos uma fábrica de Granulado Escuro Brasileiro (GEB) e uma fábrica de preservativos, que trabalham com látex nativo”, anuncia a boa nova Ademir Batista, coordenador do programa Florestas Plantadas pela Secretaria de Extensão Agroflorestal e Produção Familiar (Seaprof).

Na semana passada, o governador Tião Viana lançou na zona rural do município de Capixaba, a 77 km de Rio Branco (AC), uma nova etapa do programa Florestas Plantadas de seu governo, que desde o primeiro ano já distribuiu e plantou dois milhões de mudas de árvores em quase todo o Acre.

Produtor José Feitosa diz que vai plantar, cuidar e terá retorno - Foto Sérgio Vale, Secom-ACProdutor José Feitosa diz que vai plantar, cuidar e terá retorno - Foto Sérgio Vale, Secom-AC

Nesta nova fase, segundo o governador acreano, serão investidos mais R$ 3,5 milhões com a distribuição de 205 mil novas mudas, beneficiando em torno de 230 famílias dos municípios de Rio Branco, Senador Guiomard, Porto Acre, Capixaba, Acrelândia, Xapuri e Brasiléia.

Além de repassar as mudas para os pequenos produtores e prestar a assistência técnica, o governo do Estado está investindo na mecanização agrícola, no trabalho de georreferenciamento de terras, na aquisição de adubos, calcários e kits de sangria para propriedades que já podem explorar comercialmente a borracha de suas seringueiras plantadas há cinco anos.

São mais de R$ 6 milhões de investimento no florestas plantadas desde 2010 - Foto Pedro Devani, Secom-ACSão mais de R$ 6 milhões de investimento no florestas plantadas desde 2010 - Foto Pedro Devani, Secom-AC

“Esse programa me dá orgulho por que significa responsabilidade ambiental, recomposição dos ambientes que sofreram, às vezes, com o mau uso da terra e estamos entregando só hoje 39 mil mudas em Capixaba para que as pessoas possam ter a floresta plantada, a renda que vem dela e um aumento da qualidade de vida”, disse Tião Viana o governador em Capixaba.

Mais qualidade de vida no meio rural

Em Capixaba, assim como ocorreu nos demais municípios beneficiados com o programa de Floresta Plantada, cada produtor recebeu mudas de seringueira, castanheira, açaí, acerola, graviola e outras frutas para plantar em cerca de dois a três hectares de terra, o que vai gerar renda no futuro para melhorar ainda mais a qualidade de vida de suas famílias.

No Acre já foram distribuídas 2 milhoes de mudas de árvores desde 2011 - Foto Sérgio Vale, Secom-ACNo Acre já foram distribuídas 2 milhoes de mudas de árvores desde 2011 - Foto Sérgio Vale, Secom-AC

Ouvido pela Agência de Notícias do Acre, o pequeno agricultor José Feitosa, de Capixaba, diz acreditar que os dois hectares que vai plantar de frutas em sua propriedade ampliará ainda mais a sua renda familiar. Diz o produtor: “Vou plantar, vou cuidar e mais adiante eu vou ter um retorno. Isso é bom de a gente trabalhar, porque estamos fazendo o reflorestamento. Nossa terra está um pouco desgastada e precisamos disso”.

De uma maneira geral, o cultivo da seringueira tem se tornado uma boa opção de renda para os produtores rurais, pois as pesquisas realizadas no país já indicaram que essa matéria-prima, da qual o Brasil já foi o maior produtor mundial, se insere em um mercado crescente e promissor no mercado nacional.

Por ser a mais produtiva e possuir látex de alto padrão de qualidade, a seringueira Hevea Brasiliensis é a preferida dos produtores brasileiros, pois é uma árvore que pode chegar a 30 metros de altura e sua produtividade ocorre durante o período de 30 a 35 anos.

No Brasil, o plantio de seringueiras concentra-se em São Paulo, que responde por 56% da produção nacional. Só em São José do Rio Preto (SP) a produção chega a 25% do total de seringueiras cultivadas no país. Também há cultivos de seringueiras em várias regiões da Bahia.

(*) Com Samuel Bryan e Arison Jardim, da Agência de Notícias do Acre.

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn