Imprimir

Todo cuidado é pouco com incêndios e desmates na seca amazônica

Escrito por Romerito Aquino (*) em .

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Acre conta com ação integrada de fiscalização e políticas públicas que valorizam riquezas ambientais e florestais

Equipes de fiscalização e controle têm percorrido todas as regionais do Acre - Foto Sérgio Vale, Secom-ACEquipes de fiscalização e controle têm percorrido todas as regionais do Acre - Foto Sérgio Vale, Secom-AC

Na época da seca do verão amazônico, toda a atenção para a fiscalização ainda é pouca para evitar os crescentes desastres ambientais que se sucedem na região da maior floresta tropical do planeta, onde mais desmates e queimadas trazem prejuízos de toda ordem para o meio ambiente e para a saúde da população.

Além de dispor de imagens de satélites e de várias forças de combate, os governos federais e estaduais têm atuado em conjunto para tentar vencer o crescimento da devastação que se dá todos os anos durante o período do chamado verão amazônico, quando tudo contribui para piorar a qualidade de vida da região.

No Acre, por exemplo, o balanço das operações de fiscalização executadas nos últimos 30 dias pelo Ibama, Batalhão Ambiental da PM e Instituto do Meio Ambiente do Acre (Imac) aponta para a apreensão de seis tratores, duas caminhonetes, duas motocicletas, um quadriciclo, 17 motosserras e derivados e grande quantidade de produtos alimentícios para suprir quem estava agindo ilegalmente na floresta. A fiscalização também resultou na prisão de cinco pessoas.

Material apreendido nos últimos 30 dias no Acre pela fiscalização ambiental - Foto Josemir Melo, Secom-ACMaterial apreendido nos últimos 30 dias no Acre pela fiscalização ambiental - Foto Josemir Melo, Secom-AC

As operações foram realizadas pelos fiscais ambientais com base em informações obtidas através de imagens de satélites e por denúncias anônimas que nortearam os órgãos fiscalizadores para chegarem até aos locais onde estavam ocorrendo os desmates, as queimadas e as ocupações ilegais.

Ao fazer o balanço do último mês de fiscalização, o major Samir Freitas, comandante do Batalhão Ambiental da Polícia Militar acreana, destacou que os resultados apresentados fazem parte dos esforços dos órgãos ambientais que atuam em conjunto ao longo de todo o território acreano.

Fiscalização ambiental integrada acontece em todo o território acreano - Foto Diego Gurgel, Secom-ACFiscalização ambiental integrada acontece em todo o território acreano - Foto Diego Gurgel, Secom-AC

“A gente precisa unir todos os esforços para combater os crimes ambientais. Essa atuação do Batalhão Ambiental, em conjunto com o Ibama, traz resultados positivos para o estado e para a população. Sendo evitadas grandes queimadas no Acre, evitamos problemas de saúde para os acreanos”, disse o major Freitas.

Capacidade de resposta tem sido rápida

Por sua vez, Carlos Gadelha, superintendente do Ibama no estado, ressaltou que a operação é apenas uma das várias que já foram feitas no decorrer deste ano em parceria com o Pelotão Ambiental da PM e com o Instituto de Meio Ambiente do Acre (Imac).

“Nossa capacidade de resposta tem sido rápida e, com isso, evitamos que grandes desmatamentos e futuras queimadas possam ocorrer na região. Estamos presentes em todos os municípios do Acre e isso reflete em números positivos na queda de queimadas e desmatamentos, resultando em uma melhor qualidade de vida para os acreanos”, destacou o superintendente do Ibama.

Crianças e idosos são os mais atingidos pela baixa umidade do ar e a fumaça das queimadas - Foto Júnior AguiarCrianças e idosos são os mais atingidos pela baixa umidade do ar e a fumaça das queimadas - Foto Júnior Aguiar

O objetivo das operações integradas dos três órgãos é fiscalizar as áreas onde estejam ocorrendo desmatamento ilegal, realizar abordagens a veículos suspeitos, apreender madeira extraída ilegalmente e prender quem esteja praticando os vários crimes ambientais.

O incremento das fiscalizações ao longo do território acreano, desde o início do atual verão amazônico, já havia resultado em fins de agosto na aplicação de R$ 2,5 milhões de multas, sendo R$ 2 milhões aplicados pelos fiscais do Ibama e R$ 500 mil aplicados pelos fiscais do Imac.

O Acre reduziu em 32% a sua taxa de desmatamento no último ano - Foto Sérgio Vale, Secom-ACO Acre reduziu em 32% a sua taxa de desmatamento no último ano - Foto Sérgio Vale, Secom-AC

A fiscalização por ação integrada e as políticas públicas sustentáveis do governo do Acre para o meio florestal contribuíram, por exemplo, para a redução de 32% do desmatamento do estado entre agosto de 2016 e julho de 2017 em relação ao mesmo período dos dois anos anteriores, segundo dados divulgados recentemente pelo Imazon. Na Amazônia como um todo, a redução dos desmates nos mesmos períodos foi de 21%.

Na terra natal do sindicalista Chico Mendes, a estratégia do governo para alcançar o controle do desmatamento adota como princípio o desenvolvimento de políticas públicas que garantem a sustentabilidade, com redução em longo prazo, tendo como fundamento o combate à pobreza associado à valorização dos recursos ambientais e florestais.

(*) Com Josemir Melo, Eduardo Gomes e Rayele Oliveira, da Agência de Notícias do Acre.

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn