Imprimir

Doce negócio da servidora

Escrito por Tião Maia em .

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Funcionária pública aproveita tempo livre para produzir tortas, bolos e sobremesas

Bolos com coberturas de chocolate também são muito procurados - Foto CedidaBolos com coberturas de chocolate também são muito procurados - Foto Cedida

“Emprego pode até não ter para todo mundo, mas trabalho, para quem quer viver honestamente, isso não falta”. A constatação é da servidora pública Mara Castro, de 52 anos, um filho, solteira, servidora da Assembleia Legislativa que, nas horas vagas, se torna uma das grandes boleiras e confeiteiras da cidade de Rio Branco (AC), especializada na produção de sobremesas.

Ela trabalha no serviço público desde 1983, quando tinha pouco mais de 18 anos de idade. Como sempre tinha algum tempo livre e, por gostar muito de doces, passou a pesquisar receitas, produzindo aos poucos sobremesas, tortas e bolos, tudo muito colorido graças aos confeites que também aprendeu a fazer. Primeiro, a produção era gratuita, presentes para amigos e parentes.

Mara Castro diz que, no início, a produção era presente para familiares e amigos - Foto Tião MaiaMara Castro diz que, no início, a produção era presente para familiares e amigos - Foto Tião Maia

“De repente, aqueles amigos e até os parentes em cujas festas eu entrava com meus doces, começaram a me pedir que eu levasse meus doces independentemente de festas. Percebi ali que aquilo que eu fazia agradava a todos”, conta a doceira e confeiteira. No começo, ela trabalhava literalmente de graça. Para quem queria uma segunda remessa do que ela produzia, fazia a chamada “vaquinha”, arrecadando o dinheiro dos interessados, ia no comércio e comprava o necessário para a confecção dos doces.

“Foi aí que eu percebi que havia na cidade um vácuo nesta área. E passei a produzir comercialmente”, revela. “Por isso que eu digo: se alguém quer trabalhar de fato, há, ainda, muito o que fazer na área privada. O problema é que muita gente só pensa em ter emprego, de preferência no governo. Aí o bicho pega. Por que alguém que não tem trabalho não faz como eu faço?”, indaga a boleira.

Os bolos confeitados são os mais procurados pelos clientes - Foto CedidaOs bolos confeitados são os mais procurados pelos clientes - Foto Cedida

Mara Castro faz a indagação porque, segundo ela, são tantos os pedidos que ela nem dá conta de atender todo mundo. E não consegue porque ainda trabalha no serviço público. “Mas quando me aposentar, vou ser boleira em tempo integral”, diz, como que prometendo a si mesmo.

Mais procurados são os bolos confeitados

Os bolos, tortas e doces produzidos por ela têm gosto variados: chocolate, cupuaçu, limão, maracujá, abacaxi, laranja. Os mais procurados são os bolos confeitados para festas de aniversário e casamentos. Outro doce muito procurado é chamado de Taça da Felicidade – ou nectar dos deuses, uma mistura de diversas frutas frescas com leite condensado, creme de leite e fios de chocolate.

Docinhos de vários sabores também são muito apreciados - Foto CedidaDocinhos de vários sabores também são muito apreciados - Foto Cedida

Os preços, segundo a boleira, são relativamente em conta. Variam de R$ 100,00 a R$ 250,00 – este último para os bolos confeitados chamados de até quatro andares – um bolo menor sobre uma base até completar quatro volumes, que permite a satisfação de uma família inteira. “Um bolo que serve uma família e seus convidados, por R$ 250,00 não pode ser caro”, ela aponta.

Mara mantém suas receitas sob segredo. Muito do que ela produz, ela admite, obteve a partir de pesquisas, simplesmente copiando. Mas há receitas exclusivas, as quais ela não revela de jeito nenhuma. A boleira é da opinião de que, nos negócios, quaisquer que sejam eles, é preciso haver um pouco de segredo.

Mas o maior segredo dela, também admite, é que o que produz é feito com muito amor. “Me dedico aos bolos e doces do mesmo jeito que me dedico ao trabalho na Assembleia. Trabalho em casa, com a ajuda de uma funcionária, mas o que produzimos, seja para ricos ou pobres, é tudo feito com a mesma dedicação. Por isso, estamos dando certo”, diz.
Serviço - Os interessados nos produtos oferecidos por Mara Castro podem encontrá-la no telefone (68) 98117-6948.

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn