Imprimir

Mundo amplia apoio à política socioambiental do Acre

Escrito por Romerito Aquino (*) em . Publicado em Especiais

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Estado traz da COP23 mais R$ 115 milhões para continuar a avançar com sua economia verde, apoiada e aplaudida na Alemanha

Líderes do povo indígena Ashaninka falaram sobre a experiência de gestão territorial e preservação - Foto Sérgio Vale, SecLíderes do povo indígena Ashaninka falaram sobre a experiência de gestão territorial e preservação - Foto Sérgio Vale, Sec

“Fomos vitoriosos de maneira histórica e particular. Estamos levando doações no valor de 30 milhões de euros, somados aos 25 milhões recebidos em 2012 e já executados. Tenho certeza que nenhum estado conseguiu despertar reconhecimento e resultados socioambientais como nós do Acre”.

Foi o que disse o governador Tião Viana, ao resumir a participação do seu estado em mais uma Conferência das Partes (COP23), realizada na semana passada em Bonn, na Alemanha, onde o mundo mais uma vez se reuniu para discutir os rumos do planeta e as alternativas para reduzir as emissões de gás carbônico e alcançar as metas ambientais estabelecidas pelo Acordo de Paris, firmado em 2015 na COP21.

O Amazon-Bonn foi marcado pelo espírito de união e integração entre os estados amazônicos e 200 países do mundo - Foto Sérgio Vale, Secom-ACO Amazon-Bonn foi marcado pelo espírito de união e integração entre os estados amazônicos e 200 países do mundo - Foto Sérgio Vale, Secom-AC

Participante, junto com secretários e técnicos de seu governo, dos principais debates sobre sustentabilidade socioambiental ocorridos na COP23, Tião Viana se referia aos mais de R$ 115 milhões que virão para o Acre nos dois novos acordos financeiros que o estado assinou em Boon, na Alemanha.

Os contratos foram firmados com o Ministério Federal Alemão para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (BMZ) e com o Departamento de Negócios, Energia e Estratégia Industrial do Governo do Reino Unido (BEIS) para continuar tocando seu Programa Global REM (REDD Early Movers – pioneiro na conservação). Esse programa desenvolve no estado várias ações de proteção florestal e mitigação da mudança climática.

Momento da assinatura dos acordos financeiros com os governos alemão e inglês para ajudar o Acre - Foto Sérgio ValeMomento da assinatura dos acordos financeiros com os governos alemão e inglês para ajudar o Acre - Foto Sérgio Vale

O programa REDD Early Movers para pioneiros em conservação está sendo implementado no Acre no âmbito do Sistema Estadual de Incentivos a Serviços Ambientais (Sisa), que organiza de forma jurisdicional as atividades de compensação por boas práticas ambientais. Os pagamentos do programa são baseados em desempenho de redução de emissões de desmatamento verificadas dentro de um projeto piloto de REDD+, em desenvolvimento de acordo com as decisões assumidas na Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças do Clima.

O primeiro acordo financeiro assinado pelos países desenvolvidos com os acreanos se deu em junho de 2012, quando o programa foi lançado na Conferência Rio+20, onde o Acre passou a ser o primeiro estado a receber financiamento baseado em resultados de redução de emissões verificadas. Em 2013 e 2014, foram desenvolvidos acordos, respectivamente, com o Equador e a Colômbia.

Delegação acreana que integrou a apresentação junto a outras pessoas que participaram do evento - Foto CedidaDelegação acreana que integrou a apresentação junto a outras pessoas que participaram do evento - Foto Cedida

Segundo a Agência de Notícias do Acre, inicialmente foram investidos6 milhões de euros, sendo adicionado em 2013, o valor de 9 milhões de euros, somando 25 milhões de euros, que representaram cerca de R$ 100 milhões, destinados para o fortalecimento da agricultura sustentável, beneficiando 6,4 mil famílias de pequenos agricultores, 3 mil famílias de extrativistas e seringueiros, 5,2 mil indígenas e 2 mil famílias de agricultores com pecuária diversificada sustentável, além do fortalecimento institucional do Sisa.

Aumento de 400% do PIB do estado em 20 anos

Na Conferência das Partes (COP23) na Alemanha, dentro do Espaço Brasil, o governador acreano e sua delegação puderam falar e expor indicadores econômicos e sociais resultantes das práticas ambientais e de enfrentamento às mudanças do clima realizadas pelo Acre.

Governador Tião Viana e primeira-dama Marlúcia Cândida com participantes da COP-23 - Foto Sérgio Vale, Secom-ACGovernador Tião Viana e primeira-dama Marlúcia Cândida com participantes da COP-23 - Foto Sérgio Vale, Secom-AC

Neste importante momento, os acreanos puderam, enfim, compartilhar os resultados da decisão do estado de manter a floresta em pé e gerar o devido valor aos ativos ambientais, como o aumento de 400% do Produto Interno Bruto (PIB) do Acre nos últimos 20 anos. Os gestores acreanos também falaram do enfrentamento ao desmatamento ilegal, mostrando dados que indicam sua redução, nos últimos 12 anos, em 66%.

“O Acre apresentou os avanços que fez nesses quase 20 anos de uma política continuada de desenvolvimento sustentável. Conseguimos conservar 87% das nossas florestas e usar de forma sustentável os nossos espaços abertos, que representam 13% do território”, destacou o o secretário de Meio Ambiente do estado, Edegard de Deus.

Acre firma sua segunda parceria com o banco alemão KfW - Foto Sérgio Vale, Secom-ACAcre firma sua segunda parceria com o banco alemão KfW - Foto Sérgio Vale, Secom-AC

Ainda no Espaço Brasil da COP23, foi apresentado o modelo de economia verde adotado pelo Acre, que tem como base a inovadora parceria público-privado-comunitário na criação de plantas industriais. São os casos do Complexo de Piscicultura Peixes da Amazônia, da indústria de suínos Dom Porquito e da indústria de aves Acreaves, além da Natex e da Cooperacre, que fomentam diretamente o extrativismo vegetal, e que foram apresentadas ao público com a explicação de como cada uma dessas iniciativas gera trabalho e renda, mantendo a floresta em pé e dando oportunidade aos moradores da zona rural.

“Vamos fazer isso com inteligência e uso econômico sustentável, seguindo desde o que os povos indígenas digam ao que os povos ribeirinhos e tradicionais estabeleçam. Nossas plataformas estão prontas, apostamos em proteína de baixo carbono de origem vegetal e animal e diversificamos a base econômica”, completou o governador Tião Viana. Veja, nesta página central, as fotos que ilustram os principais momentos vividos pelos acreanos na COP23.

(*) Com Agência de Notícias do Acre.

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn